03-02-2013_ubuntu-logo32

Canonical vai tentar fazer do Ubuntu 13.04 sua melhor versão e uma das maneiras de fazer isso é através da melhoria do Dash e suas funcionalidades online.

Todo mundo se lembra do alvoroço que foi quando a Canonical anunciou que as pesquisas Dash seriam online, especialmente na lente Home.

Apesar das controvérsias eles continuaram caminhando neste sentido, e para acalmar os comentários incorporaram um “kill switch” para todas as pesquisas online, mas essa decisão foi recebida com um certo ceticismo, porque a opção de busca on-line através do Dash é ativada por padrão.

A Canonical publicou um documento em que descreve como a busca no Ubuntu 13,04 (Raring Ringtail) irá funcionar. Eles o chamaram de projeto “100 Scopes”.

“Ubuntu vai incluir muitas novas lentes, e muitas mais virão no futuro, como parte do projeto “100 Scopes”. O Dash agora vai receber e enviar informações de um servidor central e assim responde as consultas de forma mais rápida. Tornando do Dash mais eficiente através da colaboração da comunidade com lentes e dados de uso.

“Como antes, o Dash pode ser restringido, para não incluir qualquer conteúdo online ou contribuição nas configurações do sistema de privacidade”, afirma o documento.

Entre todas as informações importantes publicadas neste documento, o maior interesse do os usuários do Ubuntu é em relação às questões de privacidade.

O processo de envio dos dados relevantes para o servidor da Canonical tem sido descrita de forma bem detalhada, mas o que vai certamente atrair a atenção é a decisão de enviar informação geográfica.

Isto faz sentido, de certa forma, se você estiver procurando por um produto na Amazon, por exemplo, mas as pessoas podem ver isso como uma violação de privacidade.

Canonical tem assegurado aos usuários que seus dados não serão divulgados para empresas de terceiros e ainda que serão tratados com o máximo cuidado.

Distribuições depois da 13,04 vão reunir ainda mais informações, como quanto tempo os resultados foram na tela para, resultados de contagem, duração do clique, contagem de clique em resultados,posição do clique, e muitas outras informações.

Mais detalhes sobre este “100 Scopes” projeto pode ser encontrada no Ubuntu oficial Wiki.

Via Softpedia

Instalando o Kdenlive 0.9.4 no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Posted by admin On fevereiro - 1 - 2013

30-01-2013_kdenlive_kdenlive-094-small

Basta seguir os passos a seguir para ter  o Kdenlive 0.9.4 devidamente instalado em seu Ubuntu, LinuxMint e derivados.

Os procedimentos a seguir devem ser feitos com privilégios de administrador, logo, utilize o “sudo” antes de cada um dos comandos ou então utilize o comando “su” para ter privilégios de root.

apt-add-repository ppa:sunab/ppa
apt-get update
apt-get install kdenlive

Sobre o Kdenlive

O Kdenlive é um poderoso e intuitivo editor de vídeo multi-track, que inclui as tecnologias de vídeo mais recentes. O software é totalmente gratuito e free software, tal como definido pela fundação GNU.

Se você não conhece o Kdenlive, recomendamos fortemente que o faça. É um excelente software de edição de vídeos. A equipe da Espírito Livre o utiliza e recomenda.

Recentemente noticiamos o lançamento da versão 0.9.4 do Kdenlive. Sendo assim, outras informações sobre esta versão, podem ser esclarecidas aqui.

SeriousSam3_29-01-2013

Para instalar o Serious Sam 3 Update 176695 no GNU/Linux via Steam siga os seguintes passos:

– localize o game (Serious Sam 3) na biblioteca do Steam
– Clique com o botão direito e selecione “propriedades”
– Selecione a aba “Betas”
– Escolha “publicbeta”

Sobre o game

O game Serious Sam 3, que fez sucesso no Steam para a plataforma Windows agora está disponível também para os usuários GNU/Linux. Mas atenção, este ainda é um beta, e por isso não requer uma password. Serious Sam 3: BFE é desenvolvido pela Croteam e a mais recente da franquia Serious Sam. O jogo é movido pela  Serious Engine 3,5 e teve seu laçamento para Windows em 2011.

A versão publicada recentemente no Steam foi a Serious Sam 3 Update 176695. Este “beta público” de Serious Sam 3 aborda várias melhorias e correções para o jogo em si. Há também várias correções específicas para esta versão para GNU/Linux.

Entre as novidades desta versão estão a atualização no Linux quanto a melhora de entrada de texto, suporta a área de transferência para copiar / colar, corrição de caracteres errados para certas chaves, correções quanto a tentativas de restaurar a resolução do desktop ao encontrar um erro fatal, entre outros. A lista completa de correções e features desta versão podem ser verificadas aqui.

EA lança dois jogos na Central de Programas do Ubuntu

Posted by Tiago Passos On maio - 9 - 2012

De acordo com o anúncio de Jono Bacon, funcionário da Canonical – empresa que mantém o Ubuntu – a Eletronic Arts (EA) lançou dois jogos na Central de Programas do Ubuntu (Ubuntu Software Center): Command & Conquer Tiberium Alliances e Lord of Ultima. Ambos são jogos feitos para rodar no navegador, e estão disponíveis gratuitamente na internet. São compatíveis com o Firefox 4.0, Internet Explorer 9 e Google Chrome.

Segundo Jono, “enquanto alguns podem ficar presos ao fato de que os jogos funcionam na web, essa é uma grande oportunidade que a EA identificou como um canal para entregar seu conteúdo”. A EA é um dos três maiores fabricantes de jogos e a publicação de jogos para Linux, mesmo que não sejam nativos, é um bom sinal. Existem rumores de que a Valve – outra fabricante de jogos – está trabalhando para lançar uma versão do jogo Steam para Linux.

Não ficou claro se a EA planeja novos lançamentos para Ubuntu no futuro e se seus futuros planos incluem jogos nativos para a plataforma. No passado, fabricantes reclamaram da dificuldade de portar suas soluções de DRM para Linux. A Canonical até agora não se posicionou a respeito.

Com informações da The H Open

Dell anuncia o desenvolvimento de um protótipo com Ubuntu

Posted by Tiago Passos On maio - 8 - 2012

Barton George, diretor de marketing da Dell, anunciou o projeto Sputnik, que estuda a viabilidade do desenvolvimento de um Notebook, chamado “Sputnik”, que roda Ubuntu e é voltado para desenvolvedores mobile (dispositivos móveis) e cloud (na nuvem). O projeto vem sendo incubado há 6 meses pela Dell.

O Laptop possui o Ubuntu 12.04 LTS – otimizado para o Dell’s XPS13 Ultrabook – pré-instalado e já foram resolvidos problemas relacionados ao brilho (do monitor) e WiFi. A instalação também inclui vários pacotes de desenvolvimento, como sistemas de controle de versão.

O anúncio não indica se a Dell vai vender o Ultrabook com Ubuntu pré-instalado para o consumidor final. Em uma entrevista publicada pela Dell, George diz que o “Sputnik ainda não é um produto”. Ele também diz que se o projeto se tornar um sucesso, mais modelos poderão seguir o modelo do Sputnik, que também pode se tornar uma plataforma de desenvolvimento integrada para aplicações na nuvem.

Com informações da The H Open

Ubuntu 11.10 – Oneiric Ocelot Alfa 3

Posted by Nicholas Lima On agosto - 4 - 2011

O desenvolvimento da  versão 11.10 do Ubuntu, Oneiric Ocelot, anda de vento em popa e acaba de sair, conforme o calendário da versão, o Alfa 3!!!  Read the rest of this entry »

Ubuntizar o Brasil

Posted by josemoutinho On julho - 2 - 2011

A Canonical, desenvolvedora da distribuição GNU/Linux Ubuntu, quer ubuntizar o mercado brasileiro. A distribuição está rodando em um milhão de computadores no país. Estuda parcerias de suporte, aumento na base instalada no governo e no segmento de OEMs brasileiro. No Brasil, o Ubuntu já vem instalado em PCs da Dell e da Positivo.

Como noticiou a Espírito Livre, 7/6, a Asus fechou uma parceria com a Canonical. A Asus venderá netbooks [franquia Eee PC] com o sistema operacional livre e de código aberto instalado. Inicialmente, três modelos com Ubuntu 10.10 instalado – Eee PC 1001PXD, 1011PX e o 1015PX.

O anúncio de ubuntizar o Brasil, foi feito por Jon Melamut, vice-presidente de Serviços OEM e Produtos da Canonical, durante o Fisl12, em Porto Alegre. A empresa assinou um acordo para migrar as máquinas da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Rio Grande do Sul, dentro um projeto piloto para uma migração mais ampla da base instalada do governo gaúcho.

O Brasil tem uma importante presença no uso do Ubuntu, segundo destacou Melamut. De 20 milhões de PCs que a Canonical estima ter no mundo rodando o Ubuntu (ou suas variáveis), 5% estão no país. Desses 5%, metade são de contratos com o Ministério da Educação (MEC). Além do MEC, o Exército, Serpro, Locaweb e o Buscapé estão na lista de empresas e entidades que usam o Ubuntu.

De acordo com Melamut, o crescimento da Canonical em máquinas – “sem venda de licenças é difícil saber um número exato”, desabafa – é de 45% ao ano.

“Acho que o grande diferencial nosso é que somos mais fáceis. Nós descobrimos que alguém está usando o Ubuntu e entramos em contato, querendo saber se eles querem alguma ajuda. Não tem burocracia nenhuma para os clientes corporativos”, declara Melamut.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações do www.baguete.com.br.

Poupe milhões com o Linux

Posted by josemoutinho On junho - 17 - 2011

O site odivelas.com publicou matéria sobre uma das principais vantagens do GNU/Linux: economia de vultosos recursos em Tecnologia da Informação (TI).

Para quem não se importa em gastar milhões e milhões – até mesmo desperdiçar, divido os exageros dos programas proprietário com suas atualizações, segue com os sistemas M$ Microsoft. Mas quem não gosta de ficar preso a tais condições, nem ter que recorrer à pirataria, tem espírito livre e valoriza o dinheiro ganho com muito suor, o GNU/Linux é a solução.

O GNU/Linux é efetivamente uma alternativa ao Windows, pois a pessoa deixa seu computador turbinado – com todos os programas profissionais necessários – sem gastar um tostão (ou quantia pequenina, em casos especiais). Essa foi a ideia da matéria de “odivelas”. É bom destacar que é importante que a comunidade GNU/Linux faça doações, contribuindo assim para a manutenção do trabalho, inclusive heroico dos desenvolvedores e colaboradores.

Sobre os computadores pessoais, a odivelas.com destacou as diversas distribuições Linux, como Centos, Debian e Ubuntu, por exemplo. E lembrou que, hoje, o Linux é mais amigável que no passado. O Ubuntu, o Linux Mint, são bons exemplo e uma prova de que um usuário Windows pode utilizar o Linux “à vontade” e “sem sentir qualquer dificuldade”.

Foi destacado, também, que as vantagens do Linux são para além do custo e da segurança. O Linux é menos permeável aos ataques diários aos computadores e foi concebido inicialmente como um sistema para trabalhar em redes.

Nesse sentido, o artigo resgata que a Microsoft acordou tarde para a internet e ao longo dos tempos tem tentado acertar o passo com algumas versões do Windows, não alcançando com o Windows ME ou o Windows Vista. Muitas empresas continuam usando o Windows XP e não veem razões para atualizar o SO da Microsoft. Por outro lado, o Linux tem sido atualizado permanentemente. Foi destacado que um SO Linux, como o Ubuntu, realiza, a exemplo do Windows, checagens e atualizações automáticas.

Um ponto importante no desfecho que artigo de odivelas.com foi o fato de que a fraca difusão do Linux no mercado não “têm nada a ver com o interesse dos cidadãos e do Estado que somos todos nós”.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações de http://odivelas.com

Deputados cariocas aprovam a adoção de Software Livre

Posted by admin On maio - 20 - 2011

Em função do alto custo na aquisição e atualização (em numerosas máquinas) do pacote de escritório da Microsoft [MS Office], a Assembleia Legislativo do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o projeto de Lei 152/11, que adota preferencialmente o uso de documentos de formato aberto, ou ODF (Open Document Format) na administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional. O PL 152 é de iniciativa do deputado Robson Leite (PT).

O ODF é o formato padrão de documentos gerados pelos pacotes livres LibreOffice (BrOffice) e OpenOffice, criados e mantidos pela comunidade GNU/Linux.

O Diário do Rio de Janeiro destacou que a aprovação da proposta deixa o Executivo mais próximo de passar pela adaptação pela qual a Alerj já passa. Os funcionários do Parlamento já têm a opção escolha entre sistemas operacionais: o Windows ou o Ubuntu (baseado em Linux), além disso a Alerj já vem usando o pacote BrOffice, totalmente gratuito, o que tem gerado economia aos cofres públicos.

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro(Alerj) aprovou, em segunda discussão, o Projeto de Lei 152/11, que estabelece a adoção preferencial do uso de documentos de formato aberto, ou ODF (Open Document Format), na administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional.

Agora o PL 152 será enviado ao governador, que uma vez sancionado fará do Rio de Janeiro o segundo estado a adotar a medida. O primeiro é o Paraná, onde o software livre conta com grande disseminação nos estamentos governamentais, entre outros, inclusive de reconhecimento internacional.

O deputado Robson Leite prevê que a adoção do software livre no Rio representará uma economia de R$ 20 milhões por ano em licenciamento. Ele acrescentou, ainda, que a medida contribuirá para a geração de empregos, pois os programas proprietários (fechados) geram emprego e renda no exterior.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações do Diário do Rio de Janeiro e Monitor Mercantil.

O Ubuntu terá 200 milhões de usuários em 2015?

Posted by josemoutinho On maio - 11 - 2011

Em artigo publicado no Guia do Hardware, na terça-feira (9/5), Carlos Morimoto avalia como “excessivamente ambiciosa” a meta de Mark Shuttleworth, CEO da Canonical, de que a distribuição Linux Ubuntu atingirá, em 2015, 200 milhões de usuários. “Considerando que o Ubuntu tinha 8 milhões de usuários em 2008 e 12 milhões em 2010 (contabilizados pelos “pings” das instalações aos servidores da Canonical), esta meta parece excessivamente ambiciosa, mesmo para alguém como o Shuttleworth”.

Para Morimoto esta meta pode objetiva emular a equipe de produção, para “atingir algum número intermediário”. Pode, também, ser um “sinal de que a Canonical ande planejando alguma nova versão do sistema que permita a eles cobrirem o resto do terreno”. Morimoto avalia que as vendas de novos computadore pessoais andam em “suave declínio”.

O articulista acredita, também, que a Canonical esteja de olho em contratos com grandes fabricantes de computadores para que “o Ubuntu passe a vir instalado em um volume significativo de novas máquinas”.

A Microsoft, pela análise de Morimoto, representa, com o Windows 7, uma pedra no caminho do Ubuntu, pois “a Microsoft sempre se mostrou muito disposta a fazer propostas irrecusáveis a qualquer fabricante usando Linux em massa (lembra do caso da Asus com o Eee PC?) e a natural resistência dos usuários, isso me parece improvável.

Assim, uma boa saída para o Ubuntu, continua Morimoto, seria o setor dos dispositivos móveis. “Existem algumas pistas de que isso poderia vir a acontecer, como a inclusão do Qt no Ubuntu 11.10 e a grande ênfase em suporte a toque no Unity, usado como interface padrão na última versão, o que poderia levar a uma versão do sistema destinada a tablets”.

Ainda que a Canonical esteja investindo para ingressar no setor dos tablets (liderado pelo iPad), Morimoto acredita que meta de 200 milhões de usuários do Ubuntu “está muito distante, mesmo nas perspectivas mais otimistas”.