Rede da Petrobras não foi violada por hackers

Posted by josemoutinho On junho - 25 - 2011

A Gerência de Imprensa/Comunicação Institucional da Petrobras reafirma, em nota divulgada no dia 24/06, que não houve violação à rede interna ou ao site da estatal petrolífera.

A nota sublinha, ainda, que as informações citadas na matéria “Hackers divulgam dados pessoais de funcionários da Petrobras”, publicada no mesmo dia (24/6) no Folha de S. Paulo (on-line), não foram obtidas por hackers via internet na rede da empresa.

A empresa destacou que está investigando a origem das informações. Informou, também, que no dia 22/06 o web site da empresa recebeu um alto volume de acessos simultâneos que congestionou momentaneamente o servidor. A empresa assegurou que sua rede não foi invadida e que não houve qualquer alteração de conteúdo ou violação de informação.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações da Petrobras.

Foto: Agência Petrobras de Notícias.

Governo brasileiro luta contra ciberataques

Posted by josemoutinho On junho - 25 - 2011

O governo brasileiro vem lutando contra uma série de ataques cibernético em seus sites, durante o feriadão de “corpus christ”. Especialista disse que dados críticos (ou sigilosos) não ficam disponíveis na internet ou na rede dos órgãos públicos, dificultando acesso.

Em entrevista à Agência Brasil, o especialista em segurança da informação Jorilson Rodrigues, que é coordenador do Comitê Gestor de Segurança da Informação do Ministério da Justiça e perito criminal federal, disse que dados críticos do poder público não costumam estar acessíveis na rede ou na internet. “Em geral, esses dados de governo (que são relevantes) são protegidos e não estão nem na rede”. Acrescentou, ainda: “E isso acontece por questões normativas de governo. É o que chamamos de informação off-line.”

Ele admitiu, também, que há dados relevantes do governo que precisam ser disponibilizados em rede para que outros servidores públicos acessem, mediante algum tipo de mecanismo de segurança, como senha. E considera que a tecnologia utilizada atualmente é suficiente para evitar ataques e impedir que hackers acessem conteúdos sigilosos.

Rodrigues destacou à Agência Brasil que não acredita que os ciberataques tenham uma motivação ideológica ou política. O principal objetivo, segundo ele, é ganhar notoriedade. “Existe um ranking entre os grupos [de hackers] e eles competem entre si. Então, quanto mais sites de governo [eles conseguirem atacar] e mais importantes, mais entendem que estão sendo respeitados no meio deles”.

Dos ataques virtuais iniciados na madrugada do dia 22/6 (4ª feira), dois grupos, o LulzSec e o Fail Shell são os supostos responsáveis pelos ciberataques. Eles atacaram dois web sites da presidência, os sites da Receita Federal, da Petrobras, do Ministério do Esporte e do IBGE. A Polícia Federal está investigando o assunto.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações da Agência Brasil e Olhar Digital.

Banda larga a R$ 35 em julho

Posted by josemoutinho On junho - 2 - 2011

No momento em que o número de usuários da banda larga ultrapassou 40 milhões e há um estudo que prevê 153,6 milhões de usuários, em 2020, nada mais justo para que as empresas de telefonia evitem o famoso “olho gordo” e tenham uma visão de respeito aos usuários, a liberdade de acesso à informação, e, sobretudo, tenham visão de futuro. Em suma, urge a melhoria na qualidade de serviços e a custos mais realistas (baixos) com a forte demanda de usuários.

Notícias dão conta que, por parte do Governo Federal, a partir de julho algumas localidades terão serviço de internet banda larga com 1 megabit por segundo (Mbps) de velocidade por R$ 35, dentro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Segundo o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), em pelo menos sete estados haverá isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que pode baixar o preço para R$ 29,90.

De acordo com a Telebras, as primeiras localidades conectadas por meio do PNBL serão Samambaia (DF), Recanto das Emas (DF), Santo Antônio do Descoberto (GO), Anápolis (GO), Senador Canedo (GO) e Aparecida de Goiânia (GO).

O presidente da Telebrasil, Antônio Carlos Valente, destacou a evolução do setor de telecomunicações e disse que a massificação do acesso à internet não vai resolver os problemas de inclusão da sociedade brasileira. “Por mais importante que seja a conectividade, é fundamental a criação de mecanismos de incentivo à aquisição de computadores e a capacitação de usuários, estudantes e professores.”

Sobre as operadoras que ainda alimentam o “olho gordo” nos limitados e elitizados serviços de telecomunicações, o minisro Paulo Bernardo asseverou: “Como as empresas se conformam em oferecer serviços que só atendem a cerca de 20% da população? Não acho razoável. Isso se deve à renitente opção das empresas de oferecer serviços caros e atender pouca gente. E tem que ser o contrário, tem que oferecer serviço barato para muita gente. Podemos fazer muito mais que isso, e o mercado não pode só pedir dinheiro para o governo”.

O ministro falou na abertura do 55º Painel Telebrasil, promovido pela Associação Brasileira de Telecomunicações, nos dia 1º e 2/06, em Brasília.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações da Agência Brasil.

A Romênia recomenda software livre “sempre que necessário”

Posted by josemoutinho On maio - 26 - 2011

O ministro da Comunicação e Sociedade da Informação da Romênia, Valeriano Vreme, disse em uma conferência em Bucareste, que as autoridades públicas daquele país deveriam “usar sistemas de código livre e aberto, como Linux, quando uma avaliação madura mostrar que é a solução adequada”. De acordo com um relatório na osor.eu, Vreme disse que não iria apoiar uma lei que obrigava as instituições a usar o código aberto, mas a função do ministério é apresentar os prós e contras de um produto e suas alternativas.

Vreme convidou fornecedores romenos de TI que utilizam software livre e código aberto para criarem projetos relevantes e acessíveis para a administração pública, tornando-os disponíveis na Biblioteca – um repositório de programas livres administrado pelo Instituto de Informática do governo. A conferência foi organizada pela editora de notícias de TI, Ágora, e atraiu cerca de oitenta pessoas que ouviram os planos de Vreme. Ele disse, ainda, que apoiará os organizadores na realização de conferências sobre Linux e outros softwares de código livre e aberto no país.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações da “The H Open” – http://www.h-online.com

Deputados cariocas aprovam a adoção de Software Livre

Posted by admin On maio - 20 - 2011

Em função do alto custo na aquisição e atualização (em numerosas máquinas) do pacote de escritório da Microsoft [MS Office], a Assembleia Legislativo do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o projeto de Lei 152/11, que adota preferencialmente o uso de documentos de formato aberto, ou ODF (Open Document Format) na administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional. O PL 152 é de iniciativa do deputado Robson Leite (PT).

O ODF é o formato padrão de documentos gerados pelos pacotes livres LibreOffice (BrOffice) e OpenOffice, criados e mantidos pela comunidade GNU/Linux.

O Diário do Rio de Janeiro destacou que a aprovação da proposta deixa o Executivo mais próximo de passar pela adaptação pela qual a Alerj já passa. Os funcionários do Parlamento já têm a opção escolha entre sistemas operacionais: o Windows ou o Ubuntu (baseado em Linux), além disso a Alerj já vem usando o pacote BrOffice, totalmente gratuito, o que tem gerado economia aos cofres públicos.

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro(Alerj) aprovou, em segunda discussão, o Projeto de Lei 152/11, que estabelece a adoção preferencial do uso de documentos de formato aberto, ou ODF (Open Document Format), na administração pública direta, indireta, autárquica e fundacional.

Agora o PL 152 será enviado ao governador, que uma vez sancionado fará do Rio de Janeiro o segundo estado a adotar a medida. O primeiro é o Paraná, onde o software livre conta com grande disseminação nos estamentos governamentais, entre outros, inclusive de reconhecimento internacional.

O deputado Robson Leite prevê que a adoção do software livre no Rio representará uma economia de R$ 20 milhões por ano em licenciamento. Ele acrescentou, ainda, que a medida contribuirá para a geração de empregos, pois os programas proprietários (fechados) geram emprego e renda no exterior.

Fonte: Revista Espírito Livre, com informações do Diário do Rio de Janeiro e Monitor Mercantil.