Lançada edição n.50 da Revista Espírito Livre

Posted by admin On maio - 30 - 2013
Revista Espírito Livre - Ed. #050 - Maio 2013

Revista Espírito Livre – Ed. #050 – Maio 2013

Revista Espírito Livre - Ed. n #050 - Maio 2013
Revista Espírito Livre - Ed. n #050 - Maio 2013

Recentemente tivemos a notícia que alguns de nossos governantes, aqueles eleitos para nos representar e zelar por nós, se manifestaram contrários a tecnologia nacional, com a assinatura de acordos com empresas estrangeiras. Tal medida vem se tornando cada vez mais comum e pode até passar desapercebida sob o olhar da sociedade e até dos “mais entendidos”. Entretanto, a comunidade de software livre mostrou-se bastante decepcionada com tais medidas. Um acordo por si só, ainda sem apresentação para o povo de suas premissas e propósitos reais, de forma transparente, já é algo que gera medo, incerteza e dúvida. Sugere-se que em um acordo entre duas partes, ambas se beneficiarão igualmente, logo, acordos não são maléficos por natureza. O que causa estranheza é ele partir de estados tão popularmente conhecidos por suas inovações e projetos relacionados com o software livre. Isto causou o mal-estar que me refiro.

Nossos governos deveriam (e este é o papel deles), zelar por sua população, cuidar de seu povo. Inovações nacionais e projetos que nasceram ou foram desenvolvidos aqui não poderiam simplesmente serem jogados para escanteio, em detrimento de acordos com multinacionais. Não cabe nem mencionar governos, nem as empresas envolvidas, uma vez que não são poucos tais acordos que vem pipocando aqui e ali. Nós da comunidade, vez ou outra, já nos sentimos deslocados quando fazemos uso de uma tecnologia que nem todos a utilizam. Não ter apoio nem dos que deveriam nos representar, ainda, é algo que entristece e nos faz refletir em até que ponto tal “cuidado e zelo” está realmente sendo realizado. Não é colocado em xeque aqui apenas as responsabilidades de nossos governantes, mas também sua preocupação com a inovação, genialidade nacional e independência tecnológica. Vale ressaltar que não basta termos uma massa de usuários interessados em mudar. É necessário vontade, e algumas vezes, política. Que tal pensarmos um pouco sobre isso?